Filha de Mônica Moura e João Santana responde a repórter do jornal o globo.

 

monica-moura-e-marido-casal-e1470135622955

Carta escrita por Alice Requião no seu Facebook

Uma carta aberta ao jornalista Flávio Freire, que escreveu uma matéria no O Globo sobre a saída da minha mãe hoje:

Eu não te conheço, mas você escreveu uma matéria hoje sobre minha mãe, Mônica Moura, que foi solta depois de mais de 5 meses em custódia, e sorriu dentro do carro.

Deve ser bom, né, falar da vida de gente que você não conhece que nunca encontrou que não sabe nada da história ou do caráter. Simplesmente porque você tem o espaço de um jornal, que todos vão ler e acreditar no tom da notícia que você está dando.

Queria te falar um pouco da minha mãe, pra você ter o mínimo de propriedade pra escrever sobre ela, da próxima vez que você o fizer.

Ela sorri. Ela sorri sempre. Ela ri até quando chora. Ela sorriu desmedidamente até no dia que eu fui visitar ela numa penitenciária de segurança máxima, onde ela ficou 45 dias. Deixaram-me vê-la depois de 30 dias que ela passou em período de “triagem”, onde só podia tomar banho de sol 3 vezes por semana, passava todo o resto do tempo trancada.

Sem saber que horas eram sem poder pedir pra que os seus advogados trouxessem uma lâmpada, afinal, eram regras do presídio. Sem acesso a uma caneta pra escrever uma carta pros filhos dela. Com as costelas machucadas porque estava dormindo num colchão fino que fazia com que ralasse as costas a noite toda. Ah, ela estava na ala das prisioneiras do PCC, umas das mais perigosas do país.

Não, ela não tinha sido condenada… Sequer julgada. Mas aí estava. Cada vez que ela tinha que ver um advogado, o que acontecia diariamente, ela precisava fazer aquela revista humilhante, sem roupa alguma. Mas sabe o que ela fez nessas 3 horas que permitiram que eu ficasse com ela? Ela sorriu. Riu, deu gargalhada de cada história que contei. Sorriu com a alma mesmo, riu de chorar.

Desculpe, se te incomoda muito, Flávio. Mas é o jeito que a minha mãe sabe viver. Eu sei que você e muitas pessoas preferiam que ela estivesse triste e cabisbaixa no pior momento da vida dela.

Mas a minha mãe é assim: ela sorri. O que você chama de não demonstrar fragilidade, é apenas uma felicidade interna que injustiça nenhuma desse mundo vai tirar dela. E eu só posso agradecer ao universo por isso. Sei que pra você não é nada pessoal, é só mais uma matéria lixo que você acha que vai ter alguma audiência ou alguns amigos vão compartilhar no facebook. Mas pra mim não, pra mim é a minha vida toda, é a mulher que eu mais amo no mundo sendo retratada como uma pessoa sem sentimentos.

Eu espero de coração, que você tenha alguém na sua vida como a minha mãe: que ri e sorri mesmo quando as coisas não vão nada bem.

Matéria do jornalista Flávio Freire – de ‘O Globo’, que causou constrangimento à senhorita Alice Requião, sobre a saída de sua mãe da prisão em Curitiba:

Antes e depois da prisão, o emblemático sorriso de Mônica Moura, mulher do marqueteiro João Santana não demonstra fragilidade depois de cinco meses atrás das grades. São Paulo cinco meses separam duas imagens que, nem à distância, parecem remeter a uma personagem que passou todo esse período atrás das grades. Assim como aconteceu em fevereiro, quando chegou à carceragem da Polícia Federal de Curitiba com sorriso largo e mascando chiclete, desta vez Monica Moura aparentemente abandonou apenas a goma de mascar.

Monica não escondeu a felicidade nesta segunda-feira. Já dentro do carro que a levaria para o aeroporto, ao lado do advogado, ela mirou as lentes dos fotógrafos e, com os mesmos óculos com os quais chegou em Curitiba, devolveu aos cliques um sorriso de capa de revista.

A aparente alegria da mulher que confessou praticar caixa 2 na campanha presidencial de Dilma Rousseff é emblemática, considerando, entre outros fatores, o fato de que horas antes a Justiça divulgava que ela só foi liberada depois do pagar R$ 28 milhões de fiança. E também não poderá falar com pessoas que também respondem a crimes investigados na Lava-Jato.

Ao longo dos cinco últimos meses, Monica também enfrentou uma rotina pesada. Segundo a imprensa, chegou a fazer cortina de papel higiênico para ganhar privacidade no momento em que usava o banheiro da pequena cela da PF.

Monica Moura, acompanhada do marido, João Santana, deve seguir nesta segunda-feira para Salvador, onde o casal mora quando está no Brasil.

Pessoas próximas do casal classificam a mulher do marqueteiro como um “trator”, um “cavalo”, como O GLOBO revelou em reportagem publicada à ocasião da prisão. Aos 54 anos de idade, é apontada como uma profissional incansável, que ajudou a viabilizar a milionária carreira do marido no marketing político.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s