Ex-tucano promete detalhar esquema de corrupção no governo Geraldo Alckmin (PSDB)

acir-fillo-e-alckmin

Fonte: Debate Progressista

Expulso do PSDB após se tornar alvo de investigações sobre fraudes em licitações e corrupção, o prefeito afastado de Ferraz de Vasconcelos (Grande São Paulo), Acir Filló, protocolou no Ministério Público de São Paulo, no último dia 17, pedido para firmar acordo de delação premiada no qual promete detalhar um suposto esquema de corrupção no governo Geraldo Alckmin (PSDB). de outubro de 2016

Na peça, endereçada ao procurador-geral, Gianpaolo Smanio, Filló cita “ilegalidades envolvendo o PSDB na esfera estadual”, mas não apresenta provas.

Em agosto deste ano, Filló levou ao Palácio dos Bandeirantes uma acusação na qual afirma ter sido achacado por dirigentes tucanos –primeiro de seu município e, depois, da executiva estadual.

Na semana passada, após ir ao Ministério Público, remeteu documento igual à direção nacional do PSDB. O prefeito afastado entregou à Folha cópias de todos esses documentos. Na peça enviada ao tucanato, ele diz que, já afastado do cargo pela Justiça, tentou convencer o partido a deixá-lo concorrer à reeleição e que o presidente municipal do PSDB de Ferraz, Clóvis Caetano, teria pedido suborno.

“Por mais de uma vez procurei a executiva estadual, solicitando que interviesse e tomasse providências quanto ao absurdo que lá ocorria”, diz. “Para meu espanto, Cesar Gontijo me chamou em uma sala e me abordou com a seguinte frase: Filló, você tem que ajudar. O Clóvis não falou com você? Você tem que ajudar ou não tem jeito.”

Gontijo é vice-presidente do PSDB estadual. Ele ainda é alvo de uma segunda acusação de Filló, que diz ter sido ameaçado pelo dirigente.

 Leia mais na Folha de São Paulo.

Ex-tucano acusa gestão Alckmin de corrupção

Expulso do PSDB após se tornar alvo de investigações sobre fraudes em licitações e corrupção, o prefeito afastado de Ferraz de Vasconcelos (Grande São Paulo), Acir Filló, protocolou no Ministério Público de São Paulo, no último dia 17, pedido para firmar acordo de delação premiada no qual promete detalhar um suposto esquema de corrupção no governo Geraldo Alckmin (PSDB).

Na peça, endereçada ao procurador-geral, Gianpaolo Smanio, Filló cita “ilegalidades envolvendo o PSDB na esfera estadual”, mas não apresenta provas.

Em agosto deste ano, Filló levou ao Palácio dos Bandeirantes uma acusação na qual afirma ter sido achacado por dirigentes tucanos –primeiro de seu município e, depois, da executiva estadual.

Na semana passada, após ir ao Ministério Público, remeteu documento igual à direção nacional do PSDB. O prefeito afastado entregou à Folha cópias de todos esses documentos. Na peça enviada ao tucanato, ele diz que, já afastado do cargo pela Justiça, tentou convencer o partido a deixá-lo concorrer à reeleição e que o presidente municipal do PSDB de Ferraz, Clóvis Caetano, teria pedido suborno.

“Por mais de uma vez procurei a executiva estadual, solicitando que interviesse e tomasse providências quanto ao absurdo que lá ocorria”, diz. “Para meu espanto, Cesar Gontijo me chamou em uma sala e me abordou com a seguinte frase: Filló, você tem que ajudar. O Clóvis não falou com você? Você tem que ajudar ou não tem jeito.”

Gontijo é vice-presidente do PSDB estadual. Ele ainda é alvo de uma segunda acusação de Filló, que diz ter sido ameaçado pelo dirigente.

Os tucanos citados por Filló rechaçam as acusações e dizem que vão processá-lo por injúria, calúnia e difamação. Em nota, o PSDB paulista diz que são “mentirosas as afirmações feitas contra membros desta executiva”.

À Folha, Gontijo chamou o prefeito afastado de “psicopata” e disse que ele inventa histórias por vingança. Ele conta ter defendido a expulsão sumária de Filló da sigla.

O suposto pedido de suborno em Ferraz foi registrado pelo prefeito afastado em um boletim de ocorrência, em agosto. Ele afirma que Caetano queria entre “R$ 250 mil e R$ 500 mil”. Nas acusações enviadas ao PSDB, o valor muda: “cerca de R$ 400 mil”.

À Folha, Filló apontou uma testemunha, Herbert Douglas Moreira, que foi candidato a vereador em Ferraz pelo DEM. Moreira confirma o pedido de R$ 400 mil de suborno em Ferraz, mas diz não ter ouvido nada sobre o envolvimento de integrantes da direção estadual do PSDB.

FUNDO

Filló, que se diz afilhado de Alckmin, julga ter sido abandonado pelo tucano. Afirma que o governador “não bota um centavo no bolso”, mas é omisso com a corrupção.

Diz ainda que, se o Ministério Público aceitar sua delação, poderá detalhar suposto esquema no Fumefi (Fundo Metropolitano de Financiamento e Investimento).

O Fumefi é um fundo para financiar projetos na Grande São Paulo. Em 2014, foram contratados R$ 132 milhões em obras para 14 cidades.

Filló já havia levado acusações de desvios no Fundo ao governo paulista, também em agosto, após ser expulso da sigla. A queixa foi encaminhada à Corregedoria do Estado, que abriu apuração.

“Minha palavra é um documento. Convivi por dentro, sei todos os detalhes. Se soubesse o que fariam comigo teria gravado tudo. Se tiverem a coragem de aceitar minha delação vão começar um procedimento que acabará maior do que a Lava Jato”, diz Filló.

O prefeito afastado ganhou projeção em 2006, quando escreveu uma biografia romanceada sobre Alckmin, que concorria à Presidência.

Em dezembro de 2015, Filló foi afastado da prefeitura de Ferraz, acusado de agir para atrapalhar investigações, escondendo documentos.

Ele responde às imputações de enriquecimento ilícito e fraude em licitações, entre outros processos. Diz que o afastamento é uma “aberração jurídica” e que “cometeu erros, mas não crimes”.

“Geraldo deixou um companheiro na rua. Lembra do Paulo Preto [Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa]? Repito a frase dele”.

Em 2010, alvo de acusações, Preto enviou um recado ao PSDB: “Não se deixa um líder ferido na estrada”.

OUTRO LADO

Dirigentes do PSDB desqualificam as acusações de Acir Filló e afirmam que seus antecedentes tiram dele credibilidade. Clóvis Caetano, presidente do PSDB de Ferraz, diz não haver nenhum indício que sustente as acusações e que o processará. “Nem sequer teria como fazer o que ele pediu, não poderia revogar decisão do diretório”, diz Caetano.

Vice-presidente do PSDB-SP, César Gontijo diz que Filló “é psicopata e ladrão”. Seu advogado, Anderson Pomini, ingressará com ações. “As alegações mostram que ele age por vingança. Usa fofocas, mas não tem provas.”

O PSDB paulista diz que “a falsidade de informações é tática recorrente” de Filló e que “tomará as providências cabíveis” para “restabelecer a verdade”.

Procurado, o governo do Estado disse que a Corregedoria abriu apuração após receber acusação sobre o Fumefi. “A oitiva foi marcada para 3 de outubro, mas Filló pediu adiamento devido a ‘grave problema de ordem familiar’. A data foi remarcada.”

Leia abaixo a íntegra da nota do PSDB de São Paulo

Sobre o prefeito afastado Acir Filó, o Diretório Estadual do PSDB-SP afirma que são mentirosas as afirmações feitas por ele contra membros desta executiva.

Não houve, em tempo algum, qualquer tratativa ou tentativa de reintegrá-lo aos quadros do PSDB ou promessa de fazê-lo, sob qualquer condição, já que a pessoa em questão não atende minimamente aos requisitos éticos, morais e gerenciais esperados de um filiado.

A falsidade de informações é recorrente tática do ex-prefeito, que chegou a tentar registrar sua candidatura na Justiça Eleitoral como membro do PSDB mesmo após ter sido expulso do partido.

O PSDB ressalta ainda que tomará todas as providências cabíveis contra o sr. Acir Filó não apenas para restabelecer a verdade, mas para que ele seja punido pelas mentiras ditas de maneira irresponsável.

Veja a íntegra da nota da Corregedoria-Geral do Estado de São Paulo

O documento citado pela reportagem foi protocolado no Palácio dos Bandeirantes em 23 de agosto. Foi determinada a imediata apuração pela Corregedoria Geral da Administração (CGA) acerca de possíveis irregularidades apresentadas pelo prefeito afastado de Ferraz de Vasconcelos, Acir Filló, em contratos do Fumefi (Fundo Metropolitano de Financiamento e Investimento).

A Corregedoria instaurou procedimento em 6 de setembro e a oitiva de Filló foi marcada para o dia 3 de outubro, mas o ex-prefeito solicitou adiamento devido a “um grave problema de ordem familiar”. A data foi remarcada para 4 de novembro.

Os corregedores receberam do Fumefi as cópias dos contratos para análise e continuidade dos trabalhos correcionais. São sete anexos com cerca de duas mil páginas.

+ ERRAMOS: O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo

Acir Filló é prefeito afastado, não ex-prefeito de Ferraz de Vasconcelos (Grande São Paulo), como foi informado em título de chamada na home da Folha.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s